Universo Vermelho

Foi na segunda cerveja que aquele milagre aconteceu.

– Tem cigarro?

– Não eu não fumo, falei.

– Tem isqueiro?

– Tenho, mas pra quê isqueiro se você não tem cigarro, sorri bebendo a cerveja.

– E pra que ter um isqueiro se você não fuma?, ela falou.

– Pra poder ser atencioso, prestativo, repliquei. Gosto de ser prestativo.

– Cruz Vermelha ou exército da salvação? ela falou sorrindo brevemente e tirando um cigarro do bolso.

– Nenhum dos dois, divisão dos prazeres, segundo setor.

– Entendi, a lógica é chegar a um denominador comum: gostos em comum. Já adianto que nunca vi Laranja Mecânica. E achei Amélie Poulain um porre.

– Que bom. De clichê já basta uma pessoa, costurei.

Nesse momento achei que tudo ia acabar aí; e se acabasse não seria mágico, mas seria terrível, seria terrível como readmitir um mundo que estava prestes a acabar.

– Você é aquela ruiva que gostava de jazz e bebia cerveja importada não é?

– Quase isso, agora eu sou morena e má. Também não gosto mais de jazz; eu prefiro dançar. Gosto de tinta de cabelo.

– Odeio dançar.

– Eu sei, ela emendou laconicamente. 

(Percebi que aquele desastre me conhecia.)

– E agora?

– Agora você me beija.

– E a minha dor?

– Guarda do outro lado do peito.

– Ruiva?, falei com aquele formigamento e rouquidão invadindo minha garganta e meus poros.

– Fala, ela disse ronronando com nossos lábios impositivos se tocando; e foi nessa hora que achei-a frágil demais, muito mais frágil do que eu, na primeira vez que nos encontramos.

– Eu não te esqueci. Por todos esses anos. Eu não te esqueci… soltei.

– Nem eu herr Durden, nem eu, ela disse, com aquela voz sussurada no infinito dos nossos corpos nos tocando. E seus dedos tocavam nos meus, nos acariciávamos completamente entregues, apesar de que a cada palavra havia mais a descortinar, a descobrir, a se devassar.

A última frase soara tão amorosa, mas pensei que talvez a gente visse apenas o que quisesse ver, e foi assim que agarrei a lata de cerveja e amassei na mão tamanha minha fragilidade e fé. Aquilo tudo passou na minha cabeça de uma vez. Até que comecei a falar.

– Depois de você conheci algumas pessoas.

– Eu sei, eu imaginei, ela disse passando as mãos por sob a minha camisa.

– Depois de você eu resolvi pintar, escrever. Eu resolvi TENTAR. Tentei demais. Umas vinte ou trinta vezes.

– Eu sei. Ela sussurrava, gemendo, beijando e acariciando meu peito; eu não ligo, ela disse, enquanto mordiscava meu ventre e meu ego.

Aquela respiração que ficava pesada me impelia à ação, eu não desejei falar mais nada, mas alguma parte de mim reclamou controle: havia fome de mundo.

– Você é um farsa ruiva.

– Sou? Ela falou fingindo choro e apertando meu cabelo com força.

– É sim. Você é uma estrela. Estrelas brilham mas já morreram. Morreram há muitos anos atrás.

– É bom ser imortal, ela falou, erguendo os joelhos e me beijando como se tivesse finalizado um ritual, já feliz e recuperada.

– É. Você é uma supernova. Queima como um cigarro, mas é algo mais violento.

– Cigarros acabam, falei, sem acreditar muito nas próprias convicções.

– Amores também, ela complementou, corretíssima.

Virei as costas para acender o primeiro cigarro da noite, e tudo sumiu, a ruiva, o isqueiro, o copo de cerveja, o bar. Foi como se eu estivese me respirando.

Só me sobrara o ônibus e aquela música, que dizia que o que me fazia feliz e me salvava era apenas um punhado de rosas sem sentido.

E aquela esperança retornava sempre vermelha: supernova,supernova, la roja, la roja, eu delirava…

– Ruiva, ainda vamos nos encontrar novamente.

– Vamos sim Durden.

 Neste ponto, me despedi e bebi toda aquela cerveja miserável do destino.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Universo Vermelho

  1. Thaís disse:

    Sou eu meu amigo, a sumida e que nao é ruiva, que saudade de te ler, dei boas gargalhadas com “Entendi, a lógica é chegar a um denominador comum: gostos em comum. Já adianto que nunca vi Laranja Mecânica. E achei Amélie Poulain um porre.” Vc evoluiu sua escrita, tá cada vez mais digno de uma publicação isso, quero fazer a ilustração, já disse… Vc e sua ruiva!!!!!! Um imenso abraço amigo!!!!!!!!!!!!!!!!!!=*

  2. JH disse:

    “bebi toda aquela cerveja miserável do destino”…
    gostei disso!
    será que ,pelo menos , essa miserável cerveja do destino vem estupidamente gelada?

  3. A ruiva disse:

    Foda, sempre foda.

  4. Juliana disse:

    Gostei. =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: