Jamais ocorreu

Não se importava com o que  nomeavam paisagem. Olhar e portanto, descrevê-la mentalmente gerava uma ampla irritação. Os trajetos curtos impediam-no de olhar as molduras com a calma necessária dos justos. Por suposto nada sobrava das paisagens, além de uma insuficiência crônica do subir, pagar, descer, voltar para casa.

Já nos trajetos longos não havia nada a se olhar.

Os trajetos longos eram essencialmente políticos. Não se olhava bem, nunca se podia olhar bem aquela miséria toda. E aquele pedaço de raiva sempre iniciava jornal da manhã, ou quando não se podia interromper o monólogo da tv, no meio daquela balbúrdia.

– Fale alguma coisa Vasili, replicou Anatole na segunda cerveja.

– Não posso.

– E qual é o motivo? replicou, expulsando as guimbas com a subjetividade francófona.

– Preciso de algo que me dê sentido. A felicidade pura não traz felicidade. É preciso mesclar com tristeza e vice-versa. É como fazer cuba libre. Os opostos não se bastam, devem se misturar.

– Indefinição Vasili, você carece de sentido pois sempre anda com seus espelhos à mão.

No fundo, bar, amarelo, azulejos, poucos pedestres, quarta-feira, 29 graus, quase 30: o fundo era um porto, ou o mar, ou podia ser um lugar acima do nível do mar e das expectativas.

– Preciso de alguém que me retire os sentidos Nato. Que despedaçe minhas certezas. Acabar assim vagando pelos coletivos, não é justo.

Era lá que estavam os bairros dormitórios, os ermos,  os barbitúricos, as aglomerações e todo o resto onde recorrentemente se esquecia o som da palavra humano.

Se podia descer e fumar um cigarro sob a varanda ou jogar cartas consigo mesmo (paciência). Era possível comprar cerveja ou fingir saúde. Mas muitos escolhiam o silêncio. Mas pedir um abismo, isso era coisa vasiliana.

E depois, assim, Vasili calou-se durante meses. Na verdade, sobraram-lhe poucas certezas. E no segundo mês teve de abdicar do projeto para fumar haxixe com dois angolanos.

Na segunda um projeto ambicioso. Sua maior ilusão em segredo, era ganhar três pares de cervejas de presente.

Jamais ocorreu.

Anúncios

Um pensamento sobre “Jamais ocorreu

  1. fabiane disse:

    Preciso de algo que me dê sentido. A felicidade pura não traz felicidade. É preciso mesclar com tristeza e vice-versa. É como fazer cuba libre. Os opostos não se bastam, devem se misturar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: