Só mais uma carta de amor

Contexto: Resgatei isto do meu email sem querer. Foi uma carta que eu enviei (na verdade um email) para uma paixonite há algum tempo atrás.   Acho-a bela, mas como diria Fernando Pessoa, toda carta de amor é meio ridícula; pois bem.

Resolvi publicá-la pois paixão perdida bem cicatrizada jamais  cria problema.  E que venham outros amores, dores e humores.

É engraçado como eu, um cara que sempre acreditou que sua vocação para montanha-russa emocional não permitia tecer mais do que trinta e seis linhas sem iniciar uma longa discussão interna com parte da multidão de vozes que carrego em mim, consiga agora (talvez até impulsionado pelo looping da montanha-russa, devo assumir, sendo que uma parte de mim discorda disto totalmente) tranqüilamente plantar alguns quilos de parágrafos em meio a horta de coisas da vida.

Sem nenhuma dúvida, a tripulação interna de contradições que navega em meu peito não pode me julgar de não ser transparente e viral, o que produz alguns desconfortos de ordem literária, mas não há como negar que é a sinceridade que me motiva neste momento (por que um dos piratas diz que o impulso pode salvar o marujo da prancha ou pode jogá-lo no mar).

O capitão razão sempre diz que o timoneiro limpou o convés, cortou as batatas e subiu no mastro antes de pilotar o navio… E eu não deveria fugir à regra, mas como bom teimoso que sou atrevo-me a dar algumas escapulidas para o timão antes de limpar o convés e descascar as tais batatas do tempo.

O pirata pode ser um tipo impulsivo que prefere não seguir a escala do convés-batatas-timão mas sabe que quando a vela enche-se de sopro de alegria ele deve esquecer essa tal hierarquia do tempo e olhar somente para a origem do vento, e não há como negar que você já faz parte do sopro que impele a minha vontade-esquadra e a minha esquadra-vontade a desbravar os mares da vida.

Eu estou me esforçando para não me expor como um romântico bobo, (afinal, em nossa tecnocrática sociedade o romantismo está sempre ligado a infância como se fosse um sinal de fraqueza ou de imaturidade emocional) mas a verdade é que estes últimos dias foram tão bons, que eu resolvi concretizar parte do que eu sinto (só uma parte… também não pense que vou jogar todos os meus barris agora, assim de mão beijada… estragaria futuras surpresas…) neste textículo infantil (sim, a infância é uma fase tão espontânea, tão livre, por que não utilizá-la agora com denotações positivas?).

Sinceramente não me importo com o destino, aprendi muito a viver o presente e talvez isso tenha me prejudicado em certos momentos, o futuro pra mim é saudade, ampulhetas de areia que lentamente atrasam nossos encontros… o passado é um grande tesouro que mesmo nesses poucos dias que nos encontramos, só me traz recordações e sentimentos bons, que me levam a guardar e enterrá-los bem fundo em alguma ilha deserta para eu manter o mapa do tesouro só para mim…

Na verdade foram grandes dias, intensos, prazeirosos, cheios de cor que posso dizer sem medos, que se meu navio viesse a pique hoje, não me preocuparia com os redemoinhos jocosos do destino…

Enfim, gastei uma nau inteira de metáforas para te dizer coisas óbvias… estar com você é muito, muito bom… (e por que é que eu não falei isto no início do texto? por que estragaria TODAS as minhas torpes pretensões poéticas… )

E deixemos as correntes marítimas carregarem nossos navios sem que as expectativas os soçobrem nas dúvidas… parafraseando uma velha frase… não há navegação… há o navegar… há navegantes!

Beijos, beijos, beijos, não vejo a hora de jogar minha âncora e de te encontrar…

“As paixões são como ventanias que enfurnam as velas dos navios, fazendo-os navegar; outras vezes podem fazê-los naufragar, mas se não fossem elas, não haveriam viagens nem aventuras nem novas descobertas.
(Voltaire)

Beijão!

Anúncios

4 pensamentos sobre “Só mais uma carta de amor

  1. Alexandre disse:

    Caro Rafael,
    esse “beijão” no final estragou todas as suas pretensões poéticas supracitadas. Acho que você deve estar ciente disso.

    Tenho lembrado de você, caro amigo, pois cá me encontro naufragado emocionalmente e, sempre que escrevo alguma coisa com um tom poético, lembro inevitavelmente de você. As associações me levam à sua figura.

    Gostaria de indagá-lo a respeito da Feira do Livro Anárquica em Novembro: você vai? Porquê eu estou cogitando levemente em ir… Levemente, repito. Entre em contato comigo, me liga ou mande um e-mail.

    Um abraço,
    Alexandre

    • Mr. Durden Poulain disse:

      Alexandre, o beijão na verdade, foi fruto de um copiar e colar mal feito, pois apenas encerrou o email. De qualquer forma agradeço seu comentário e me sinto até lisonjeado em saber que eu me insiro em sua memória poética.

      Sobre você estar naufragado emocionalmente, eu espero que este mar seja o da paixão. Pois acá, estou em uma balsa, que se move ao sabor dos oceanos. E a maré atual é parafraseando uma famosa canção da guerra civil espanhola, o das “negras tormentas agitan los aires…”

  2. ki disse:

    Já pensei que sofrer por não ser amada ultrapassasse as barreiras do ridículo. Mas é melhor sofrer amando. Ah, como é bom sofrer amando.
    Penso nos outros tipos de sofrimento e… sou feliz, afinal.
    Penso, sorte minha que amo. Amo, sorte minha que penso.
    Amo, sofro, penso, amo. Penso… sorte minha, afinal.

  3. ki disse:

    (Falta-me pensar que ultrapasso as barreiras do ridículo quando escrevo.)
    Gosto muito do que você escreve. Ganhou uma leitora noctívaga.
    Diga-se que, meu preferido é Pessoas Descartáveis.
    Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: