Quando tudo arrebenta e até a poesia é permitida

Amor não me traga para cima.

Há uma represa dentro de nós.

Veja, as paredes estão arrebentando. E nós, estamos correndo, correndo, correndo, antes que a água nos pegue.

A cachoeira, fujamos da cachoeira.

Vamos para um lugar alto. Onde podemos brincar de deus.

Vamos correr. Olhe os paralelepípedos amarelos. Olhe todos eles. Jogue os farelos. Vamos fazer nossa trilha e voltar, voltar, voltar.

Circulemos a árvore grande. Há uma entraga velha e oca. Todos podem entrar.

Meu coração e o seu, guardado numa caixinha. Guardemos no pinheiro.

Vamos correr.

Vamos voltar, e nos atirar do alto do penhasco, junto com a água corrente.

Vamos amor.

Vamos ser cachoeira.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: