A espera sem esperança

Rafael Vendetta

Esperar, mas não com gosto.

Não tinha mais fé. Perdeu a esperança.

Era ela. A que se fora. Não havia mais jeito. Ela partiu. Não voltaria. Pegou o passaporte e partiu. Foi num dia de semana. Tudo estava bem, mas tudo mudou. Ela deixou uma flor sobre a mesa. A flor murchou e morreu.

Eu não acreditei. Achei que voltaria. Guardei a flor até o último momento.

Então comecei a andar sem propósito. Eu buscava a mim mesmo, eu me buscava ali, andando de um lado para outro sem propósito, sem o propósito de gente que busca as bibliotecas; enfileirado entre aqueles livros com códigos, eu sonhava em me encontrar na terceira estante, com algum livro, onde eu pudesse ler aquele meu manual de instruções. Mas sempre pensava que ser amado aos 30 anos era como ser um livro velho editado em 1972 numa biblioteca grande. Havia livros que nunca foram abertos, que nunca foram pegos, mas estavam na estante, esperando algum leitor chegar. E se ninguém os pegasse, o que aconteceria? Sempre saía da biblioteca com essa sensação. Que aquilo não fazia sentido. Guardar-se para algo que nunca chegaria.

Nunca tinha falado isso para nenhuma bibliotecária porque me sentiria ridículo, mas aquilo era o verdadeiro sentido da vida, ali, espremido nas coisas ordinárias. Um dia tomei coragem e questionei: há algum livro daqui, que alguém nunca leu? Ela disse, olhando de soslaio: sim, muitos. E o que fazem com eles? Não jogamos fora. Guardamos até alguém ler. E se ninguém ler?, aprofundei.

Ela tirou os óculos, olhou para os dois lados, como se fosse falar algo proibido e disse: jogamos a coleção fora, mas isso depende de um parecer e um relatório depois do outro. É tão complexo, tão complicado, que fazer isso requer muita vontade de se livrar de um livro. Então optamos por deixar ele lá, na esperança que alguém irá um dia, lê-lo. 

Mas isso é enganar o livro, refutei. Ela fingiu indignação, bateu no balcão de madeira e disse que eu deveria culpar os leitores que nunca o procuraram. Nós só os guardamos, afirmou, pegando uma caneta. A culpa na verdade não é só do livro, nem do leitor, pra mim é de ambos, finalizou.

Não quis insistir. Mas antes de sair emendei: você acha que há livros que não tem sorte? Ela respirou, guardou a caneta por sob o balcão e finalizou: são como pessoas, entenda como quiser, mas agora eu preciso trabalhar.

Depois disso passei semana como qualquer outro. Era outono. Comprei tabaco, peguei dois livros (os que tinham sorte), dormi. Comi. Trabalhei, mas isso não era digno de menção. Fiz café no fim da tarde (como nós ruiva, isso sim é digno de menção), peguei sol na soleira do prédio e deixei o jornal na água-furtada. Era hora de comprar pão e beijar o gato, depois tudo se ajeitaria.

Mas isso fazia todos os dias. O que não dizia, é que vez ou outra havia a espera. Uma espera sem esperança. Que chegava sempre com o olhar perdido. Podia ser na quinta ou na sexta, tanto fazia. Mas o sentimento era o mesmo. Ninguém ia chegar. O tempo passava. Eu lia mais um ou dois livros, mas em determinado momento pensava que podia estar me comportando como aquele livro da estante, o que nunca seria pego, o que nunca seria usado, o que nunca seria lido, o que nunca despertaria interesse. 

Foi aí, que para completar o paradigma da bibliotecária, pensei que o leitor poderia não gostar do livro, mas seria muito pior, o livro não gostar do leitor, o que me acontecia frequentemente. 

Voltei para casa. A flor continuava lá. Ruiva, eu senti tanta dor ao olhar aquela flor. Foi como se eu me olhasse no fim da semana sem qualquer filtro. Tua mala sumiu. Minha mala estava vazia, o que me deu uma sensação de não poder me encher. Pensei naquele momento em encher minha mala de livros. Mas minha dor não passava. O gato se esfregava na minha mala vazia. Eu olhava para a mesa com aquela toalha de mesa branca e verdade com manchas do nosso melhor almoço. Aí me lembrei de tudo. Sentei e pensei em você, comendo maçã. Pensei em você jogando a tua roupa no abajour. Pensei em você se despindo daquele modo natural que só você sabia fazer, mas aí voltei a realidade. E começou a chover. E eu descobri que fiquei 6 horas sentado: no sofá, na mesa, no chão, no piso do banheiro, com a água quente me massageando.

Pensei em descer e conversar com Alonso. Mas ele só iria falar do evitável. Pensei em ligar para Anatole, mas ele iria me dar jogos de armar que eu não poderia suportar. Pensei em pegar meu passaporte e partir, mas eu não tinha uma estante pra ir. Eu não tinha teu paradeiro e mesmo que tivesse, não iria te procurar, pois entendi que você era minha espera sem esperança. Você não me queria, mas eu achava que era tudo uma fraude, que era apenas aguardar você mudar de ideia e que tudo iria se ajeitar: mas quanto? Talvez, essa fosse a mesma sensação que um livro que nunca foi pego sentira. Mas livros não se enganam, eu sim.

A flor morrera, mas eu tinha um gato para cuidar, muitos livros para ler e vez ou outra eu me despia, não de modo natural, mas era preciso seguir, mesmo assim, com uma espera sem esperança no peito. Era preciso seguir, com um sol me dando, o que nenhum sentido deu. Era preciso levantar, acordar, tomar café, ler outro livro, deitar e sonhar. Enfim, fazer tudo aquilo que não é digno de menção. Tudo aquilo que deixou de ter teu cheiro. Tudo aquilo que faz da espera e da esperança, coisas vermelhas que um dia a gente põe no peito e começa a achar que é só falta de sorte.

tumblr_lgzuqnxlNY1qabt7co1_500

esperarsemesperanca

Anúncios

Um pensamento sobre “A espera sem esperança

  1. Luandan disse:

    Livros, flor murcha, espera sem esperança…é tudo isso um sonho com cheiro e pele?
    Vejo que nada foi colocado de lado – não é um jogo de sorte ou falta dela…a esperança é um fato…

    A flor continua lá…procura entre os teus livros, ou busca na biblioteca ou estante mais próxima o que resta do cheiro…

    …E NÃO ESQUECE TEM SOL E ÁGUA QUENTE NO CHUVEIRO…
    Há outras frutas, esquece a maçã, o abajur cor de carne e os movimentos naturais…

    Procura pela flor num outro livro!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: