Arquivo da categoria: cartas de amor

Teu jeito de lidar com o mundo

Rafael Vendetta

Você foi uma idiota, eu fui um idiota. Mas somos idiotas diferentes e com motivos distintos. Eu devia ter te falado que te amava, mas nunca disse. Sempre insinuei é verdade. Traduzi meu amor com meu corpo, minhas cartas (sim eu ainda enviava cartas), meus beijos e minha ilusão. Achei que você se comunicava da mesma forma que eu, mas eu estava errado.

Você tinha seu jeito próprio de lidar com a coisa. Eu me movia e pensei em comprar os livros do Neruda. Eu te dei os livros do Neruda. Confesso que não soou espontâneo, mas eu nunca fui tão espontâneo. Na hora me pareceu a melhor coisa a fazer . Achei bonitinho (e o fiz de novo, em menor grau, achando que funcionaria). Eu sempre reagia assim, falando o pouco, o necessário. Nunca fui tão longe. Mas minha ansiedade te amava. Você não percebeu? Eu te liguei tantas vezes. Eram tantos emails. Quando você ia tomar café longe de mim, eu me controlava e fingia-me liberto, mas eu estava lá, esperando você chegar. Dê-me um desconto. Eu não te vi mais. E na época nem falei tanto assim. Não sou do time dos obsessivos, pois você transpirava a tranquilidade dos amores justos.

Pense bem. Eu precisava fazer daquele jeito. Você não me viu mais. Não me ligou. Não me explicou. Não mandou nenhuma carta. Você também não tentou, diga a verdade.

E no meio de tudo, alguém passou de bicicleta, uma bicicleta cinza; eu não tinha cigarros no bolso, mas pensei em fumar. O café estava frio e eu segui, segui com os paralelepípedos emoldurando os corações inscritos no granito. Mas eu só tinha areia nas mãos e uma tarefa imprescindível a cumprir: mudar o mundo.

Então, o que eu tinha, o que eu tive? Eu tive um ou dois momentos de amar e eu joguei as fichas lá (não me julgue). Você tinha a certeza de si mesma. Tuas dúvidas não eram como as minhas. Minhas dúvidas eram profundas; eu tinha uma raiz que ligava meu coração com o compasso da vida.

E depois? O que aconteceu? Eu não sabia o que fazer com o que sobrou. Nunca fui bom em lidar com cacos. Meu problema é com o que sobrou. Não sei fazer mosaicos. Sei que não dá mais para existir ou voltar com a mandala, os livros do Neruda, com aquele encontro casual na fila do jantar. Sei que tudo passou e desmoronou. Desmoronou a ponto de sim, e aí tenho certeza, de que mesmo dando certo, algo terrível aconteceria (mentira, podíamos ter tentado, de verdade). Você se enjoaria. Talvez eu (duvido). Um de nós ia desistir (ia ser você, como sempre). Alguém ia viajar (ia ser você). Alguém ia falar que não daria certo pelo telefone ou pessoalmente (foi você). E no final você encontraria alguém, alguém para lhe suprir e eu viraria memória. Uma justa memória. Bonitinha e na embalagem mas inútil. Não serviria mais. Não serve mais. Mas foi bom para ti. Estou aí, nesse pedaço de mundo. Mesmo sem querer.

E como eu faria?

Eu buscaria outra coisa, mas não, eu só tive uma oportunidade. Desperdicei, desperdiçamos.

Eu fui um idiota. Não tentei tanto, mas esse era o meu jeito. Se eu tentasse demais ia dizer aos quatro ventos que tudo terminou por conta da minha insistência. Como eu não tentei, digo agora, que poderia ter tentado mais. É um paradoxo. No fundo, acho que tudo deu errado, pois era você, era você que tinha de decidir. E você, no momento decisivo fraquejou. Você tinha seu jeito de lidar com o mundo.

https://pseudocontos.wordpress.com/

life

desperdiçou

.

Do Primeiro Milagre – Parte I, II e III e do prólogo inacabado

Rafael Vendetta

Agora que leio, e sinto, entre uma janela fechada ou uma terceira encomenda e carta depositada no destinatário errado, que possuo apesar da incapacidade intrínseca de percorrer estações sem me molhar e quando chove, a capacidade de andar e amar despretensiosamente pelos paralelepípedos amarelos; uma capacidade incrível de renovar todas e minhas esperanças.

Sim, eu possuo; e como se fosse o azul do céu que não anda tão perdido, mas entretanto observa-se com mais exatidão quando dorme, seja no ponto de ônibus, no metrô, ou na água salgada que envolve o sono mais profundo, eu prossigo… E caminho, eu caminho e crio esperanças, umas por detrás das outras, como formigas, singelas e agradáveis, que andam às centenas pelo meu quarto, despretensiosamente ordinárias e felizes.

Não tão especial eu abandono, abandono-me, abandono-a nos sonhos para resgatá-la na realidade, que se não é tão especial, aparenta pelos acasos, dizer-me algo que as vicissitudes do cotidiano, as vaidades, belezas, sínteses pessoais, procuram ocultar.

Flanqueio-a e ela nem vê, mas agora percebo-a, com mais exatidão à princípio, como aguardasse um afago que nunca virá, sem esmero, sem destino, sem naturalidade, cheio de esperanças e sonhos irredutíveis, inúteis com seus desejos apartados.

Lembro-me do seu cheiro, da poesia que eu nunca recitei, do encontro que não houve, mas haverá, das flores, da conversa, do futuro, que haverá! Lembro-me, lembro-me de tudo o que eu disse, assim, para mim mesmo, como se falasse para ela, mas ela… Ela não existe…

Ela é um pedaço meu, um pedaço meu que clama e conquista o mundo ao meu redor, um pedaço que entrego e desperdiço, vez ou outra, em novas, velhas e recorrentes esperanças.

Lembro-me então, dos contos e amores inacabados, como se postam e se conservam ao mar.

E lembro das memórias dos sonhos. Da praia que tudo carrega. Do amor que tudo leva. Da paixão que tudo conquista. Do abraço que tudo desmorona.

E aí esqueci de mim mesmo, como uma janela fechada, e de juventude, que por amar despretensiosamente andou às centenas no quarto, e com cheiro de poesia, de naturalidade, fez-se no beijo e na surpresa daquele amor platônico agora concreto, irresistível, porém ainda abstrato. Pois sozinho, lhe cabem esperanças, e da mesma forma de que tudo leva, aqueles olhos ainda haverão de encontrar os seus, que conservados ao mar fizeram-se tão inacabados, sem ela.

[…]

E hoje acordei assim, normal, com vontade de passar o dia costurando sonhos. Peguei tudo o que tinha: vontade, vergonha, cigarros, meia caixa de fósforo, uma mochila e quatro camisas, sendo uma verde; saí sem princípios, e isto foi até o meio-dia.

Na mesinha de centro o relógio apitava, e não era meu. Eu não me importava.

A geladeira jazia ligada, e o fundo da casa acrescia-se de uma água-furtada, que ligada pelos tijolos e pelas insônias dos anos anteriores faziam dos cômodos passárgadas e conectavam-se com um sonho antigo, pontuado sem motivo como uma pedra de gelo caída e morta em minutos no centro da sala sem nenhum aplauso ou alarde dos convidados, e uma música que muitos queriam escutar, mas ninguém, ninguém absolutamente podia realmente ouvir.

E ela, ela que nem me lembrou, mas que eu fingia esquecer depois do almoço, na minha imaginação dormia, dormia sob as águas-furtadas que incriminavam metade de mim, cujo esboço feito de esmero e efêmero era pura vodka-estraga-poemas.

E quanto mais eu me deteriorava, podia ver o mundo deteriorando-se. E o mundo deteriorava não só enquanto eu me deteriorava, mas era algo além, pois minha deterioração estava aquém, e sim eu sabia, sabia quando nos piores dias percebia, que mesmo que eu não me deteriorasse haveria algo ou alguém para se acabar no finito do mundo. Pois o mundo se acaba sem mim. E isto era uma tragédia à minha verve narcísica… Eu adorava. Adorava saber que eu acabaria, mas tudo então, permaneceria com força e vigor, e que minha potência era apenas um maço de cigarros prestes a terminar, poemas e justos consolados.

Para manter a instituição imaginária da sociedade, eu deveria conviver bem comigo mesmo, e não deixar minhas criações subjugarem o criador. Como deus por exemplo, que nunca me intimidou ou conseguiu me subjugar, mas meu destino, este sim, que não estava escrito nas velhas fórmulas, fazia planos secretos naquele pedaço de mente que eu esquecia ou ignorava, e tanto fazia sob os antigos ou novos esquemas, o que era relevante era que isto implicava em manter a esperança.

Algo real e concreto começou a germinar, rompendo as cascas e forçando o solo e as desilusões à acomodarem-se sob o novo quadro: a luz, o orvalho perante às cascas, folhas, no céu da verdade empírica e esmagadora dos fatos; fatos feitos que se faziam só, eu nascia ali, na esquina da morte, que não fazia peso, pois era parte do todo e das cinzas do novo, reciclando no final dos finais. Era a morte cotidiana.

Renascia sob o tom da dúvida; o sal e o tempero eram só meus, naquele momento íntimo do paladar, algo meu.

O mundo terminava em mim, era uma fronteira possível mas que odiava o outro em si mesmo, na água-furtada, no poema do outro que feito para mim, me escolhia sem que para isto eu tivesse esmero. Todavia guardava alguma empatia, mesmo forçosa.

E demasiadamente empática, empático, nos assemelhávamos, mesmo assim, largados na avenida ordinária do mundo. Eu via o mundo morrer, mas eu sabia que ele iria sobreviver sem mim, mas que ele morria na minha presença, sob a minha vida, sob meus auspícios encurralados por alguma manobra vulgar, profunda, do meu cotidiano.

[…]

Aberta a janela, a das opções, o mundo falava com o quarto que a princípio era todo o mundo; tímido, mas eterno, como um universo já feito. E aí a cama, os copos vazios, os livros calados que falavam sem parar, e aqueles pequenos papéis, os rabiscos, e as pequenas coisas que eu não conseguia ordenar, já que organizar um universo clamava as esperanças, e agora eu só tinha e mantinha sonhos, sonhos que eu não lembrava.

A nota amassada, a mandala que da esperança à superstição fora justa, justa desde o início e nunca mentiu apesar de ser objeto das perguntas que não queria responder…

E eu, eu, que não me encontrava mais sujeito nas quintas-feiras, mas resolvia, implacável comigo mesmo, juntar-me com os cacos ou as sobras daquela obra, daquele sorriso que não era e nunca foi meu, daquele beijo que eu admirei sem que fosse seu alvo, daquele amor, que eu só dispunha com a obra pronta, em película de 35 mm ou que só admirava por um outro necessáriamente menos empático, menos dramático, menos infeliz. Daquele afago que eu assistia e completamente aturdido pelo amor que existia fora de minha presença, cirscunscrevia minha solidão num plano lógico de sentido.

Eu quando tocado, assim, por aquela força que também me queria, mesmo que de tão longe merecesse mais força, nós nos implacavelmente nos amávamos num futuro possível e indisposto, mal resolvido, e por isto agradável, quase terminal.

Novamente. Novamente, eu não ligava para a morte do amor, nem de mim mesmo, pois eu já estava com os pés na vida, e assim, como um outro que não deixa de cantar; sorria, sofria.

Irredutível, eu sabia, e lia, entre uma janela fechada, entre mais um copo de café, entre mais um poema longo e demasiado, que era assim, era assim na esquina da imperfeição da vida, que mais um empático, entregava-se, entregava-se e colocava à disposição o coração de avenidas de amor que ele percorreu.

E aí eu voltava, voltava à tudo… Esquentando chaleiras, friccionando as mãos e o coração enquanto preparava café; observando sem desejar títulos eu retornava ao estado original, pois toda dor, segundo meu autor preferido…

“Toda dor retorna ao seu estado original”.

E retornava, com amplitude de uma fé. Retornava, amando um futuro indisposto…

Criado… Mas no germe  da poesia, e aquele seu estado bruto, que sempre retornava…

Ele chegava, por entre as trilhas, por entre as sendas, por entre os muros, pelo criado-mudo. Ele sempre chegava.

[…]

(Em uma semana que não resolveu sair para nada, apenas tomar café, comer, escrever, pintar, o prólogo)

A amplitude do cômodo me possuía. Meu quarto, que já foi verde, azul, branco ou simplesmente cinza e amargo como um comentário maldoso ou uma rotina de final de semana, começaram a comprimir meu coração. E eu, eu que sempre consegui expandir meu amor pelo amor, amor sempre no outro, do outro, na outra, sentia como causa e efeito meu coração se comprimir até caber.

E eu me juntava, perdido, num enigma que eu inventei, com uma carta secreta publicizada e exposta numa praça que ela frequentou, mas que já não fazia muito sentido para a realidade, sempre fria. Eu colocava minhas cartas e sempre que o fazia, recomeçava do zero, e iniciava um prólogo cujo amor perpetuava-se inacabado em meu coração, e ela, ela jamais, comprimia-se, pois forças da natureza deformam o espaço e o amor em detrimento de pessoas previsíveis como eu.

Sentia sua falta.

[…]

Só mais uma carta de amor

Contexto: Resgatei isto do meu email sem querer. Foi uma carta que eu enviei (na verdade um email) para uma paixonite há algum tempo atrás.   Acho-a bela, mas como diria Fernando Pessoa, toda carta de amor é meio ridícula; pois bem.

Resolvi publicá-la pois paixão perdida bem cicatrizada jamais  cria problema.  E que venham outros amores, dores e humores.

É engraçado como eu, um cara que sempre acreditou que sua vocação para montanha-russa emocional não permitia tecer mais do que trinta e seis linhas sem iniciar uma longa discussão interna com parte da multidão de vozes que carrego em mim, consiga agora (talvez até impulsionado pelo looping da montanha-russa, devo assumir, sendo que uma parte de mim discorda disto totalmente) tranqüilamente plantar alguns quilos de parágrafos em meio a horta de coisas da vida.

Sem nenhuma dúvida, a tripulação interna de contradições que navega em meu peito não pode me julgar de não ser transparente e viral, o que produz alguns desconfortos de ordem literária, mas não há como negar que é a sinceridade que me motiva neste momento (por que um dos piratas diz que o impulso pode salvar o marujo da prancha ou pode jogá-lo no mar).

O capitão razão sempre diz que o timoneiro limpou o convés, cortou as batatas e subiu no mastro antes de pilotar o navio… E eu não deveria fugir à regra, mas como bom teimoso que sou atrevo-me a dar algumas escapulidas para o timão antes de limpar o convés e descascar as tais batatas do tempo.

O pirata pode ser um tipo impulsivo que prefere não seguir a escala do convés-batatas-timão mas sabe que quando a vela enche-se de sopro de alegria ele deve esquecer essa tal hierarquia do tempo e olhar somente para a origem do vento, e não há como negar que você já faz parte do sopro que impele a minha vontade-esquadra e a minha esquadra-vontade a desbravar os mares da vida.

Eu estou me esforçando para não me expor como um romântico bobo, (afinal, em nossa tecnocrática sociedade o romantismo está sempre ligado a infância como se fosse um sinal de fraqueza ou de imaturidade emocional) mas a verdade é que estes últimos dias foram tão bons, que eu resolvi concretizar parte do que eu sinto (só uma parte… também não pense que vou jogar todos os meus barris agora, assim de mão beijada… estragaria futuras surpresas…) neste textículo infantil (sim, a infância é uma fase tão espontânea, tão livre, por que não utilizá-la agora com denotações positivas?).

Sinceramente não me importo com o destino, aprendi muito a viver o presente e talvez isso tenha me prejudicado em certos momentos, o futuro pra mim é saudade, ampulhetas de areia que lentamente atrasam nossos encontros… o passado é um grande tesouro que mesmo nesses poucos dias que nos encontramos, só me traz recordações e sentimentos bons, que me levam a guardar e enterrá-los bem fundo em alguma ilha deserta para eu manter o mapa do tesouro só para mim…

Na verdade foram grandes dias, intensos, prazeirosos, cheios de cor que posso dizer sem medos, que se meu navio viesse a pique hoje, não me preocuparia com os redemoinhos jocosos do destino…

Enfim, gastei uma nau inteira de metáforas para te dizer coisas óbvias… estar com você é muito, muito bom… (e por que é que eu não falei isto no início do texto? por que estragaria TODAS as minhas torpes pretensões poéticas… )

E deixemos as correntes marítimas carregarem nossos navios sem que as expectativas os soçobrem nas dúvidas… parafraseando uma velha frase… não há navegação… há o navegar… há navegantes!

Beijos, beijos, beijos, não vejo a hora de jogar minha âncora e de te encontrar…

“As paixões são como ventanias que enfurnam as velas dos navios, fazendo-os navegar; outras vezes podem fazê-los naufragar, mas se não fossem elas, não haveriam viagens nem aventuras nem novas descobertas.
(Voltaire)

Beijão!